você

profilaxia efêmera
te distanciar pra não cair no buraco que eu mesmo cavei
te assistir o bloco de carnaval
que acontece toda vez que você vai comprar o jornal
te venerar castigo
como se tua mão
fosse o martelo do juízo final
como se você já me houvesse sentenciado, sei
como se a minha vida inteira fosse puro devaneio pré amor
quando te encontrei, enfim amei.

7/10
seguro sua mão em meus sonhos, você não dorme o bastante.

deus

amor
vai além do sotaque
tá no toque
tátil
treino tático
tão nítido trato
tudo que o tempo tenta te dizer
eu vi Deus
eu vejo Deus em tudo
mas eu vi Deus em você.

6/10
escrever é resistência, mas nem todas as palavras bastam para um mundo visual

amar é rebeldia divina

lembro da aurora de outrora
e do teu semblante na hora
H
contra o nascer do sol amora
por onde já cavalgaram tropas e tropas e tropas de pégasos negros sedentos por qualquer puro sentimento

te vi lá fora
e de imediato sabia que mesmo na mais ínfima possibilidade de Deus não te ter feito pra mim, eu estaria disposto a explorar os confins do inferno prová-lo errado

5/10
o crepúsculo é dos deuses; quando acordamos após meio-dia, estamos morrendo mais rapidamente

alvorada

é como um pássaro de fogo
que desperta a aurora
com seu canto mudo
ou seria o horizonte negro marfim
que desembainha sua espada celeste
e ameaça o sono dos que sonham acordados
talvez seja o feixe de luz
proveniente do buraco de minhoca
pra onde vão todas as almas dos que morreram aos 27
ou quem sabe sejam os ventos do norte que vão para o sul
e os ventos de todas as direções que chegam até minha cama
acordei
e você está ao meu lado
por favor continue a dormir.

4/10
sois sóis dentre cósmicos buracos que tudo atraem e tudo atracam.

ana julia

suas omoplatas
vistas de cima
me trouxeram lembranças há muito adormecidas
ou quem sabe criadas por minha cabeça que de nada sabe e o pouco que sabe, esquece;
ontem fizemos amor
hoje
és corpo
sou coração.

3/10
a gente sobrevive; quando em conjunto parece que tudo fica mais fácil.

fases

quando acordo
sou indivíduo
que leciona em algumas escolas
e escreve alguns poemas

quando trabalho
sou professor
que vive, convive
e escreve alguns poemas

quando me repouso
sou ave
que bateu as asas um pouco além do esperado
e agora anseia o amanhã

sei que amanhã te encontro

quando te vejo
aí sim
finalmente sou poeta.

2/10
alarmes soam para atrair ou afastar; se fôssemos todos surdos, bastaria um alarme para estética virar estática

décimo terceiro

te levar pra escutar o novo do Amarante
debater Kant e se tudo é quente é por causa da camada de ozônio da minha mente
o pente
a pauta
tudo que faz falta
o porte
o porre
de acordar na madrugada
pra ir trabalhar cedo
te deixar na sua casa
e ver o dia indo embora junto com o seu sorriso
e o meu
cada segundo longe de você é uma hora embaixo d’água

1/10
me acordo em seus sonhos mas nunca te acordei pra perguntar onde estou/estava.

falta

existem certas coisas que não necessitam explicação
onde a síntese da informação
é homeopática
irrefutável
indispensável enquanto que desnecessária
e desnecessária enquanto informação
não
eu não estou falando de amor
mas se estivesse, seu nome estaria grifado ao lado de cada verso.
(você me faz falta)

teto, piso, chão descalço, telhado, abrigo: cada um tem seu céu particular.

madrugada

é durante a madrugada quando mais sinto sua ausência
sua essência despercebida
de grama recém cortada
e mormaço
a mim incumbida

aflora
como se me rasgasse o peito
enquanto me acaricia o corpo cheio
de tudo exceto você
não há tristeza maior no mundo do que quando você me diz até logo

o céu se faz presente até o momento em que você se esquece de checar.